Leitora quer saber se homem banana vende na feira… Urso dá mais uma sem sair de cima!

Urso, Conheço um amigo seu há muito tempo e, ultimamente, está rolando uma paixonite entre nós. Embora ele seja do tipo que ainda manda flores, ele também é do tipo que ainda tenta me enrolar… Mas esquece que eu tenho um Q.I. um pouco mais avantajado do que as donzelas vilipendiadas que andam por aí. E resultado, as histórias fictícias que ele conta, não colam nem um pouco. Tudo bem… Eu sei que acreditar ou não é uma escolha racional que a gente faz e “resolvi” acreditar um pouco pra ver onde isso ia dar… Mas sem o estímulo da desconfiança, a qualidade das histórias decaiu muito. O que eu faço? Raposa

Cara Raposa, li e reli seu e-mail umas quinhentas vezes, pois fiquei muito pensativo quanto sua insinuação sobre conhecer um amigo meu. Para isso acontecer, eu teria que conhecê-la, porém não conheço nenhuma pessoa de alcunha “Raposa” e muito menos possuo amigos bananas!

A senhorita é, com certeza, uma fanfarrona! Com que direito está tentando depreciar meu círculo de amizades? Acho que está me confundindo com algum outro urso…

Bom, introdução encerrada, vamos a resposta! Primeiramente, gostaria de parabenizá-la pela atitude de deixar-se enganar, isso mostra uma inteligência acima do normal. Eu falo sempre que quem vive bem é ignorante, pois não tem noção do quanto o sacaneiam. Já tentei me fazer de burro muitas vezes, mas meu ego de Urso fala mais forte e acabo não conseguindo, preciso treinar isso mais vezes.

[youtube]Nby0Nnejo8k[/youtube]
Terça Insana – Seu Merda

Porém, passo pelo mesmo problema que você, se a pessoa quer me enganar, pelo menos deve dar-se ao trabalho de criar uma história verossímil, com começo, meio e fim. Se for possível, gravar a criação na memória para poder repetir a mesma em caso de necessidade. Já conheci pessoas que mataram a tia uma quatro vezes, tiveram caxumba outras três, perderam cinco agendas em dois dias e seu carro tem três dias de rodízio na mesma semana…

Não deixe de me seguir no Twitter, clique aqui. Não sabe que raio de Twitter é esse? Então clique aqui e fique sabendo.

Sua postura mostra um amadurecimento fora do comum, a maioria das mulheres iria estressar e mandar o cara tomar naquele lugar, coisa até que acho merecido, porém isso não resolve o problema.

Seria esse “amigo” mais um “homem placebo”? Para sua infelicidade, pode ser que sim! Se você não sabe o que isso quer dizer, segue abaixo o verbete no dicionário do Urso:

Homem placebo: é um ser que se assemelha muito aos homens de verdade, tem cara de homem, jeito de homem, fala como homem, mas quando você precisa dele, foge como uma menina. Ele finge tão bem que sua condição pode passar despercebida por anos. Daí o efeito placebo! A mulher tende a acreditar e até o usa como homem.

Pode ser que ele esteja no meio do caminho para se tornar um, não por culpa sua ou dele, mas por culpa do sistema. Lá vem o “sistema” de novo…

Esse problema se deu início com a liberação feminina, calma aí leitoras feministas pentelhas, não sou contra ela, apenas acho que vocês deram um tiro no pé, torraram tanto para ter os mesmos direitos que os homens, que acabaram se tornando parecidas com o ser primata que o homem é! Isso é péssimo! Antes, pelo menos, um gênero da espécie se salvava, agora…

Explico melhor, o homem não estava preparado para a ascensão feminina e tudo aconteceu muito rápido, as mulheres conquistaram o direito ao prazer nos últimos 20 anos. Coisa que era um privilégio dos cuecas há milhares de anos! É como se a ditadura acabasse e começasse a democracia, no início ninguém sabe votar, depois melhora, pelo menos conto com isso, até agora a coisa não vai bem…

O macho também não vai nada bem, acabou se amedrontando com a nova mulher e se encolhendo até a insignificância, colocando de lado sua masculinidade em nome do que é politicamente correto. Depois a mulherada reclama que o escolhido não sabe tomar uma decisão sozinho!

Homem banana é muito bacana no início da relação, faz tudo o que a mulher quer, leva café na cama, não discorda de nada, não entra em conflito, pergunta a cor da cueca que deve comprar, porém, com o tempo, essas mesmas coisas que eram positivas se tornam cansativas.

Cara leitora, não estou defendendo o neandertal que te pega pelos cabelos enquanto carrega a clave, defendo sim o neo-macho! Um cara que sabe te dar o espaço sem perder a referência do dele. Homem não serve apenas para carregar peso ou abrir pote de maionese, tudo bem que alguns mal servem para isso, eu sei, mas não podemos desacreditar a todos.

Para resolver seu problema, primeiro devemos tentar entendê-lo. Por que o cidadão toma essas atitudes? Eu voto pelo medo! Está cheio de homem cagão por aí, isso está demais da conta, estou pensando em abrir um curso para ensinar os homens a vestirem calças, será que é uma boa?

No caso do medo, se você achar que ele vale a pena, você deve deixá-lo na geladeira emocional, o problema é que, se de fato, ele é um amigo meu, lerá meu blog e isso dificulta o processo… Mas, por outro lado, ele não parece ser muito perspicaz, portanto não vai entender minhas dicas, então… Continuemos…

Acho que está na hora de puxar o anzol, puxar um extrato básico, falar tudo o que você soube e se fez de tonta, quem sabe assim ele decidirá mudar a forma de atuação, mas pode ser que ele suma de vez. Vamos analisar os riscos então, se ele mudar, você ganha. Se ele sumir, você ganha! Como? É claro que ganha, você se livrou de um homem placebo sem ter deixado o barco navegar muito! Tempo é dinheiro, mas perda de tempo é burrice!

Grande beijo do Urso

Obs. Para o “amigo” vale a música abaixo:

[youtube]UatW3jGwkHo[/youtube]

Comentários

comentários



Comentários

Powered by Facebook Comments

Se cadastre para receber as atualizações por e-mail

* indicates required



/

( dd / mm )


Sexo e relacionamento – Frequência dos e-mails

Carreira e cotidiano – Frequência dos e-mails

Comportamento – Frequência dos e-mails

Educação e saúde – Frequência dos e-mails

Política e religião – Frequência dos e-mails

Comunicados oficiais – Frequência dos e-mails

Presença Online – Frequência dos e-mails


Comentários

comentários