#LingerieDay – Exposição a que preço?

Olá a todas e todos! Nessa semana ocorrerá um fenômeno digital que se repete anualmente, o evento tem o nome de “Lingerie Day”, onde, em um determinado dia, mocinhas que utilizam o Twitter para se comunicar acabam trocando suas fotos comportadas por outras mais “calientes”, geralmente usando lingerie com o objetivo de expor suas “qualidades”.

Até onde vi, a única restrição para participar deste dia é ter, no mínimo, 18 anos e ser desinibida. Todo ano é escolhida uma musa do Lingerie Day de acordo com critérios de seus organizadores.

Alguns acham que é exposição demais para as mocinhas, outros acham que não há problema algum em colocar fotos trajando roupas íntimas em seus perfis. Eu sou do primeiro time.

Sempre que eu quero formar uma opinião sobre o comportamento feminino me pergunto o que acharia em duas situações:

1. E se fosse minha mãe?

2. E se fosse minha filha?

Ainda tenho mãe e mesmo não tendo filha alguma posso imaginar minhas reações ao ter a mocinha em trajes mínimos no Twitter.

Machismo meu?

Não sei. Acho que o nome disso é outro: realismo. Se minha mãe resolvesse entrar nessa “brincadeira” eu ficaria, de certa forma, constrangido. Acredito que a maioria das pessoas também ficariam. Contudo, dada a sua idade avançada, acho muito difícil que essa brincadeira a prejudicasse. Veja o exemplo do Silvio Santos, não importa a merda que ele fale, as pessoas apenas acham engraçado.

Parece que depois de uma certa idade quanto mais velhos ficamos menos credibilidade temos.

No caso da minha filha, temeria pelo futuro da mocinha. Será que estou sendo extremista? Uma simples brincadeira de publicar fotos com doses homeopáticas de nudez poderia mesmo influenciar em algo?

Dependendo da profissão que a mocinha escolher e dos círculos que pretende circular, acredito que sim. Fotos de lingerie podem lhe dar mais ônus do que bônus.

Não preciso ir tão longe. Posso falar por minha experiência, muito menos visual do que a brincadeira do #lingerieDay, onde apenas escrevo respostas, muitas vezes sem colocar minhas predileções nelas.

O Pergunte ao Urso não é e nunca foi um blog de relacionamento e sexo, mas sim, um blog de entretenimento. Desde que o montei escrevi sobre diversos temas, mas o fato de eu escrever respostas que tem a ver com sexo e relacionamento me rotulou em alguns lugares.

Outro dia, em uma reunião profissional, a diretora de uma empresa de comunicação me deu um puxão de orelha, dizendo que eu teria talento para outras coisas. Ela nem havia lido o blog direito, mas o qualificou como blog de sexo por conta de ser muito comentado devido ao tema.

Mesmo sendo uma coisa que todo mundo faz, ou ao menos deveria fazer, já tive problemas no mundo corporativo por escrever, dentre outros assuntos, sobre sexo.

Outra constante em minha vida são as especulações quanto ao meu comportamento sexual ou afetivo. Como me dou o direito de ser reservado quando se trata da minha vida pessoal, a falta de informações faz com que as pessoas imaginem coisas.

Algumas mudanças no blog vieram por conta disso, reparem que na página inicial agora há mais destaques para os outros temas. Eles sempre existiram, porém os mais acessados são os que tratam sobre o que acontece entre quatro paredes. Normal.

Muito bem, quis traçar um paralelo com a minha história para ilustrar o quanto a exposição demasiada pode trazer impactos negativos. Não considero que as mocinhas que entraram na brincadeira sejam promíscuas, vadias ou qualquer coisa que alguém queira rotular por conta da sua simples participação. Se alguma delas se encaixa nos exemplos que citei certamente não foi só uma foto de lingerie que lhe deu essa classificação.

Como sofri e ainda sofro com preconceitos por conta do que escrevo tenho mais elasticidade na hora de julgar o comportamento dos outros, mas não dá para contar com isso das demais pessoas.

O que acho é que se você não for modelo ou tenha uma profissão que valorize a beleza, não vale a pena embarcar nessa. As pessoas te darão tapinhas nas costas, te elogiarão e quando você estiver distante falarão mal. Hipocrisia, a gente se vê por aqui.

Tem garota que participa só pela brincadeira? Tem. Mas tem gente (muita) que vê no LingerieDay a oportunidade de ser alguém, chegam até a investir em produções profissionais para participar. É como sempre digo aos amigos: “A internet dá uma segunda chance a muita gente que fracassou no offline”.

Quer aparecer? Ser alguém? Crie valor no que faz e não somente no que representa. Aparência é legal, mas muito mais vale aquilo que há dentro de você… Se houver, claro! Acho que vale uma reflexão antes de participar da brincadeira.

Até mais, pessoal!

Comentários

comentários



Comentários

Powered by Facebook Comments

Se cadastre para receber as atualizações por e-mail

* indicates required



/

( dd / mm )


Sexo e relacionamento – Frequência dos e-mails

Carreira e cotidiano – Frequência dos e-mails

Comportamento – Frequência dos e-mails

Educação e saúde – Frequência dos e-mails

Política e religião – Frequência dos e-mails

Comunicados oficiais – Frequência dos e-mails

Presença Online – Frequência dos e-mails


Comentários

comentários