Prazer coletivo: “Ele só fica feliz se me vê transar com outro”

Ursito, após 8 anos de casada meu marido só consegue gozar agora se me ver transando com outro. No inicio foi excitante, agora estou de saco cheio dessa situação e não consigo colocar um freio nisso. Me ajude! Nila
Olá Nila, situação muito curiosa a sua. Conheço dezenas de homens que teriam urticárias e que não dormiriam a noite só por conta de imaginar a mulher com outro cara, não consigo supor como seria se realmente vissem.

Não sou da turma dos desesperados, mas também não encaro a situação de ceder o que é meu (pronome possessivo do subjetivo invariável que significa “o que não é dos outros”) para qualquer um como um ato de boa ação. Sinceramente, com todo respeito ao corno seu marido, tem sujeito mesmo que merece levar um pé na bunda.

Claro que, como toda vez que exponho minha opinião, algum grupo se sentirá particularmente ofendido. Desta vez será porque não tenho tesão em partilhar o pão nosso que cada dia que Deus me dá, mas nesse caso não quero nem saber.

Aí que existe uma diferença básica, apesar de achar que “meiar a bisteca” seja meio fora do comum, contudo, se for do acordo do casal não vejo problema algum.

Isso não me impede de me divertir com ironias a respeito, seria pedir demais de mim evitá-las, porém acredito ser plenamente viável que a situação ocorra. Aliás, aqui fica uma questão que apesar de não considerar importante acho interessante que seja levada em consideração. Afinal, o meliante é corno ou não é?

Um conhecido uma vez me disse que, no máximo, foi traído, corno jamais. Segundo a sua teoria o cara que leva chifre “não-autorizado”, descobre e larga a mulher não pode ser considerado corno, ele foi traído e nada mais.

Corno, segundo a lógica é o cara que levou o par de chifres e aceitou a infidelidade da mulher. Levantei alguns tipos de corno mais comuns ao navegar rapidamente na internet:

Corno pai-de-santo: todo dia ele tem que tirar um caboclo de cima da mulher

Corno cebola: quando vê a mulher com outro chora

Corno educado: cumprimenta o Ricardão quando o encontra

Corno galo: aquele que tem chifre até no pé

Corno teimoso: toma chifre da mulher e da amante

Corno mídia-social: entende como ninguém os termos “curtir” e “compartilhar”

Ok, esse último eu inventei! Não sei ao certo se existe uma denominação para seu marido, fico em dúvida ao tentar rotular pois o corno convencional tem a ver com traição, o que não é o caso. Você não está o traindo…

Respondendo a sua pergunta diretamente, não acho possível dar um basta nessa situação e continuar casada. Seria algo como “ou paro de dar ou desce” e os indícios apontam para a segunda parte.

O que me fez chegar nessa conclusão foi um ponto da sua pergunta:  “meu marido só consegue gozar agora se me ver transando com outro”. Esse “só” é que acabou com as chances de uma conciliação.

Taras e fetiches todos temos, uns mais que os outros, mas em algum lugar tem uma coisa que gostamos e que nos torna diferentes. O problema é quando uma preferência se torna parte imprescindível para que tenhamos prazer.

Essa condição de dependência faz com que o caso precise de um especialista para resolver a questão. Não é natural e isso nada tem a ver com o fato dele te ver fazendo sexo com outro homem, poderia ser outro tipo de obsessão. Sei lá, sujeito só gozar enquanto come pipoca caramelada ou uma muito pior, vendo a Playboy da Fernanda Young.

Conheci caras que quiseram experimentar o swing ou um ménage feminino/masculino. Entendo razoavelmente quando levo a questão puramente para o lado sexual.

Se o casal tem “maturidade”(não sei se é o termo adequado) para separar o lado divertido do sexo do lado afetivo do relacionamento, não vejo impeditivo algum para que a safadeza aconteça.

Só é chato quando uma das partes não está feliz com o acordo e faz meio que por “respeito” à outra. Não devemos confundir respeito com subserviência.

Como não conheço seu marido e as motivações que lhe estimulam, acabo sem saber as causas e aí fica complicado receitar um remédio que resolva, na dúvida você pode fazer como alguns médicos e irem pela teoria das tentativas de acerto e erro.

Posso supor algumas situações e possíveis soluções, ele:

a)    gosta de ver a mulher sentir prazer com outro

Solução: se esforce para não atingir o orgasmo, não reaja a estímulos, em suma, pareça que preferia estar pintando as unhas.

b)   sente prazer ao subjugar a mulher fazendo com ela transe com outro

Solução: seja parte ativa na relação sexual, nunca fique de quatro, mande no outro parceiro e domine a transa. Nada de sexo oral. Goze rápido e vista as roupas com mais velocidade ainda.

c)    curte ver o cara em ação e você é apenas um meio para o fim

Solução: enfie o pé na jaca e chame outro cidadão que seja bissexual. Talvez você identifique que não pode contentá-lo e isso lhe faça entender algumas coisas.

d)   é doente mesmo

Solução: psicoterapia. Se ele for restritivo sugira fazer em casal.

Nila, boa sorte aí com o maridão. Se precisar de ajuda é só me chamar, pensando bem, melhor não… Beijo

Comentários

comentários



Comentários

Powered by Facebook Comments

Se cadastre para receber as atualizações por e-mail

* indicates required



/

( dd / mm )


Sexo e relacionamento – Frequência dos e-mails

Carreira e cotidiano – Frequência dos e-mails

Comportamento – Frequência dos e-mails

Educação e saúde – Frequência dos e-mails

Política e religião – Frequência dos e-mails

Comunicados oficiais – Frequência dos e-mails

Presença Online – Frequência dos e-mails


Comentários

comentários