Sua vida é moleza? Não? Saiba lidar com pessoas que acham isso

Querido Urso, por que é que quando digo que trabalho com moda, todo mundo acha que sou movida a pro-seco ou champagne? Em semanas de moda trabalhamos em média 12h por dia. Para fornecer conteúdo de qualidade  (da para você explicar para eles que jornalismo de moda não é coluna social, que nós não estamos nem ai se a Madonna ta pegando o Jesus) ficamos sentadas 8 horas na frente do computador, então me diga o que eu faço quando neguinho vem com sorrisinho no canto do rosto, com uma frase reluzente na testa – a vida dela é só Glamour – o que faço para não ser processada da próxima vez por lesão corporal? Cecília Lima

Olá Cecília, está aí uma pergunta relacionada a um assunto que não entendo muito bem, moda. Eu confesso, não faço a menor idéia de quais são os estilistas de renome, o último que me lembro é do Clodovil, visto que morreu recentemente e todas emissoras de televisão ficaram mostrando sua vida.

Também não sei reconhecer se determinada roupa é da coleção passada, da presente ou é algo de tendência, já me sinto conhecedor demais do assunto simplesmente por saber que existem coleções. Culpa novamente da televisão, que fica mostrando propaganda de roupas com rótulos “Outono/Inverno”. Sinceramente, e eu com isso? Uso a roupa que achar melhor, independentemente da porra da coleção! Algum engraçadinho poderá falar “é por isso que você se veste mal”. E daí? Qual o problema em não seguir tendências ou conceitos produzidos pela indústria da moda?

Voltando ao seu caso, as pessoas que desconhecem o quão trabalhoso é a sua vida realmente podem fantasiar a respeito. É normal. Sempre achamos que a grama do vizinho é mais verde. Isso acontece muito comigo também quando alguém me diz que tenho “sorte”. Sorte é o escambau! Sorte para mim quer dizer competência na oportunidade.

Como exemplo, posso até escrever sobre este blog, para manter o P.a.U. de pé são necessárias, pelo menos, trinta horas semanais, que não só envolvem escrever as respostas, mas também preciso fazer triagem das perguntas, organizar o blog internamente, pesquisar algumas vezes sobre determinado assunto, conversar com especialistas dependendo da questão, analisar os índices e fazer networking com outros blogueiros.

Mesmo assim sempre vem alguém e fala que é fácil, que escrever é moleza, que só vivo em eventos e por aí vai…

Ainda tem mais um detalhe, se coloco um patrocinador, vira e mexe aparece um leitor chato dizendo que me “vendi” ao sistema. Também sou visto com certo preconceito por parte de blogueiros “românticos”, que defendem a não viabilização comercial dos blogs.

Acho engraçado isso, eles não cobram por publicidade, mas escrevem em troca de mimos. O sujeito ganha uma mochila e vai lá escrever sobre a empresa, para mim isso é como ser prostituta, mas transar em troca de cafuné.

Assim como Jesus, não o da Madonna aí da questão, acho que devemos ser tolerantes com essas pessoas, o homicídio não é o melhor caminho, o ideal é fazer parecer um acidente!

Calma, estou brincando, não é para ir lá cortar os freios do carro alheio. Até porque, se você fizesse isso não pareceria um acidente, pareceria que alguém queria fazer parecer um acidente! Esse truque a polícia conhece, tem em qualquer filmeco que passa na televisão aberta…

Vou passar algumas dicas para manter a calma nessas horas de desespero emocional:

Paisagem

Enquanto a pessoa fala com você, tente imaginar uma paisagem repleta de detalhes, com muito colorido, pássaros, a brisa batendo do rosto e tudo mais. Só não recomendo imaginar barulho de água, isso pode fazê-la ir ao banheiro, se for pobre ou ao toilet se for rico. Só muda o nome, mas é engraçado como as pessoas gostam de diferenciar um do outro, nem parece que foi feito para a mesma coisa!

Concentração

Ao ser incomodada se foque em pequenos detalhes, como o botão da sua camisa, a ponta da borracha do lápis, os detalhes do seu relógio, qualquer coisa que faça a idiota ser mais insignificante do que já é.

Duvide

Quando alguém vem lhe pentelhar, duvide da pessoa. “Duvido que você consegue buscar um copo de água para mim?”, “Todo mundo me fala que você não consegue correr por 10 minutos, é verdade?”, “Não acredito que você consegue lamber o próprio cotovelo!”. Ok, essa última fará você ver uma demonstração de estupidez, além de não ficar brava, alguém a fará rir.

Interesse

Geralmente, quem acha que sua vida é fácil, tende a achar que tem uma vida difícil, certo? A pior coisa que você pode fazer essas pessoas é ficar perguntando sobre todo o sofrimento implícito na vida delas. Lance uma como “E o trabalho, como está?” e assim que a pessoa responder faça uso de milhões de “Por quê?”. Super divertido!

Poder de síntese

Se você não tem medo de perder uma amizade, pode ser mais direta, recomendo perguntas como:

  • “Quando tua mãe te pôs no mundo ela não sabia que daria nisso, não é?”
  • “Ah, auxiliar de xyz ou qualquer outra profissão, o que faz mesmo isso? Imagino que deva ser tranquilo, senão você não estaria aqui me alugando ao invés de trabalhar!”
  • “Por um acaso eu vou atrapalhar o seu trabalho? Fico lá na esquina segurando a sua bolsa?”
  • “Por que você não vai dar meia hora de bunda, pelo menos assim eu consigo trabalhar sossegada?”
  • “Estou precisando de uma estagiária nesse mundo de glamour, você topa? Óbvio que não vou te pagar, você terá todo glamour que sonhou.”

Bom, é isso aí, espero ter lhe ajudado! Beijoka. Ah, para quem não sabe, a Cecília Lima tem um site de jornalismo de moda, o Closet Online, junto com a Carla Palmieri.

Comentários

comentários



Comentários

Powered by Facebook Comments

Se cadastre para receber as atualizações por e-mail

* indicates required



/

( dd / mm )


Sexo e relacionamento – Frequência dos e-mails

Carreira e cotidiano – Frequência dos e-mails

Comportamento – Frequência dos e-mails

Educação e saúde – Frequência dos e-mails

Política e religião – Frequência dos e-mails

Comunicados oficiais – Frequência dos e-mails

Presença Online – Frequência dos e-mails


Comentários

comentários