Devo mentir sobre meu passado e omitir a minha quilometragem sexual? O post de hoje promete… E cumpre!

Sábio Urso, gostaria de saber sua opinião sobre algo que ronda meu relacionamento: o passado. Meu namorado costuma ficar desenterrando coisas que aconteceram enquanto não estávamos juntos e insiste em ficar discutindo por ciúmes do passado. Já expliquei e desenhei que passado é passado, mas ele não entende. O que eu faço? Mi

Olá Mi, excelente pergunta, praticamente todo mundo tem um passado, quero dizer, todo mundo interessante tem um, só não tem quem passou pela vida a passeio, sem tentar fazer algo diferente, sem experimentar, sem aproveitar a única coisa que realmente temos e que não custa nada, a liberdade.

Ter um passado não significa que ele seja bom ou ruim, eu, por exemplo, já fiz muitas coisas que me envergonho, como ter votado uma vez no Aloysio Mercadante e também ter espiado minha irmã tomando banho… Calma, essa última eu inventei só para gerar um constrangimento na mulherada. “Como assim, só na mulherada?” – pergunta a leitora. É… Bem… Quanto aos “cuecas leitores”, prefiro não comentar!

Tirando alguns seres que parecem ter vindo de outro planeta, o restante das pessoas é dotado de ciúmes, que nada mais é do que a reflexão da insegurança das próprias em relação a alguém ou alguma coisa. Pois é pessoal, devemos lembrar que não existe só ciúme de gente, conheço uns tipos que nutrem esse sentimento por carros, aparelhos eletrônicos e até mesmo pela fama alheia. Existe certa associação entre os ciumentos e os infiéis e de certo ponto de vista, isso pode ter um fundo de verdade.

Considerando que todo ser mega ciumento é inseguro, qual seria a reação básica de qualquer animal quando ameaçado? Atacar, claro! Primeiro através da mais pura encheção de saco, “Com quem você estava falando? Isso é hora de alguém ligar? Por que você falou baixo, foi para que eu não conseguisse escutar? Por que você tem essa mania horrível de ser sociável? – que porre! Só existe uma coisa mais chata que uma pessoa grudenta, uma pessoa grudenta com que você fez a besteira de se relacionar! É por esse motivo que, dentre todas as mulheres prefiro as equilibradas! Já pensou se eu tivesse uma ursa ciumenta? Ela teria ataques epiléticos ao ler os comentários das leitoras…

Depois da torração de saco a que todos têm direito, pode ser que ser ciumento resolva ir além, principalmente quando percebe que você já não dá a mínima para suas lamúrias – loiras, procurem no dicionário, estou brincando, não sei se vocês conseguiriam encontrar… Desculpe, não pude perder a piada, prometo que não faço mais… Ah, tá bom, só mais uma vez para vocês entenderem… 😉

Brincadeiras à parte, o próximo passo é a traição. Isso mesmo, já que a pessoa é insegura quanto ao relacionamento, percebe que você dá mais atenção para propaganda eleitoral ou jogo entre XV de Piracicaba e Jardinópolis do que para as reclamações, a atitude normal do mundo, pelo menos aos olhos dela, é que ela se “garanta”. Na cabeça do ciumento isso faz todo sentido – “se posso ser abandonado a qualquer hora, tenho que ter alguma peça de reposição”. Pelo menos, quando eu era ciumento, fazia!

Isso mesmo que você leu, eu já torrei o saco no passado… Acha o quê? Que todo mundo nasce rei e coroado? Nada… Só gramando mesmo é que se aprende.

Bom, e daí, você já se envolveu com alguém cujos neurônios não se acostumaram a conversar civilizadamente, sem agressões e explosões coléricas e que saber o que fazer, não é?

Bom, primeira pergunta a ser respondida: vale à pena insistir na pessoa? Eu sei que isso parece crueldade, mas eu não tenho determinação do criador do universo para ser treinador de gente, talvez você tenha…

Supondo que valha, o que você deve omitir ou mentir? Usando a metodologia Urso Branco de resolução de problemas, cheguei a dois conceitos básicos, omita tudo que possa ser provado de forma contundente e minta descaradamente sobre tudo aquilo que alguém não possa provar.

Depois que fiquei um urso mais maduro, para não dizer, malandro, preferi nunca perguntar sobre o passado de mulher alguma, isso não é coisa que eu precise saber, continua sendo igual cozinha de restaurante, é melhor não conhecer, senão não como…

Por outro lado, conhecer o passado de alguém pode servir como orientação para o futuro, todos mudamos com o tempo, mas a essência permanece. Porém, esse conceito é subjetivo, tenho um conhecido que afirma ter relacionamento só com mulheres que tiveram um número muito grande de parceiros, porque, segundo ele, isso só dá base para que ela saiba o que quer, portanto, se ainda está com você é porque você deve ser compatível.

Nesse ponto tenho algumas ressalvas, considero que alguém com um número exorbitante de parceiros não pode ser levado a sério a menos que essas relações tenham tido algum tipo de envolvimento emocional. Traduzindo, para uma relação estável, baseada em mais do que sexo, pouco me importa se a mocinha teve relações sexuais com cinquenta ou mais homens, contanto que ela tenha os amado ou se apaixonado por eles. Caso contrário considero que a pessoa não tem senso crítico e lhe falta amor-próprio.

Antes que eu seja apedrejado, quero dizer que me arrependo de 90% das minhas aventuras e se eu tivesse tido um pouco mais de juízo durante uma fase da vida, teria evitado um monte de problemas e também uma porrada de parceiras. O sexo casual para mim já foi tão rotineiro que deixou de ser casual! Percebi que esse trecho pareceu de uma testemunha de Jeová, mas o que posso fazer? Mesmo sabendo que isso não leva a nada deveria falar que sexo casual é ótimo? Não vou escrever essa porra só para ficar bem na foto com a galera…

Não deixe de me seguir no Twitter, clique aqui. Não sabe que raio de Twitter é esse? Então clique aqui e fique sabendo.

Voltando ao tópico principal, acho que, para o bem do relacionamento, alguns temas não precisam ser esclarecidos:

Sexo anal

Mulheres, não digam que já tomaram porre dessa cachaça, falem que vocês nunca fizeram, mas que têm curiosidade e se o cidadão se esforçar bastante e for muito carinhoso vocês até podem tentar. Quanto aos homens, acho importante salientar a experiência, quando a tem, obviamente… Que mulher fica tranquila em ceder a porta dos fundos para alguém que não sabe o que fazer?

Diferença etária

Se não for imprescindível, acho que vale a pena omitir isso na sua ficha, as pessoas costuma rotular de maneira pejorativa a diferença de idade. Quando eu tinha 14, fui abduzido por uma mulher de 24, ela não ficou muito bem vista depois disso…

Quantidade

Ah, a matemática do amor… Sinceramente, eu faço igual as putas, enquanto todas dizem que você é o primeiro do dia ou que está começando agora na profissão e que você é o segundo homem, eu digo que só amei uma mulher até hoje e que a ética não me permite expor as pessoas com quem me relacionei. Mas, você é quem sabe… Alguns ficam enciumados em saber que foram o segundo, outros preferem saber que você perdeu a conta.

Um é pouco, dois é bom

Que você é adepta do sexo a três não vejo problema algum, por sinal, pode ser adepta até do sexo a oito, mas só vejo necessidade de tocar nesse assunto se você já quiser uma relação que seja condizente com isso. Se faz parte do passado e não tem mais a ver com você, minta ou omita, segundo a regra que citei acima.

Sexo oral

Falar que ficou virgem até os 25 anos, mas que era conhecida como a boqueteira do colégio e da faculdade não é algo que deveria ser dito… Podemos pular essa parte, não acha?

Fica a música:

[youtube]t8xTTCFrAlg[/youtube]

O que acham dela, é uma homenagem ou uma constatação de safadeza? O que diriam para alguém que canta isso para lhe agradar?

Mi, manda o texto para o seu namorado! Grande beijoka!

Comentários

comentários



Comentários

Powered by Facebook Comments

Se cadastre para receber as atualizações por e-mail

* indicates required



/

( dd / mm )


Sexo e relacionamento – Frequência dos e-mails

Carreira e cotidiano – Frequência dos e-mails

Comportamento – Frequência dos e-mails

Educação e saúde – Frequência dos e-mails

Política e religião – Frequência dos e-mails

Comunicados oficiais – Frequência dos e-mails

Presença Online – Frequência dos e-mails


Comentários

comentários