Mulher-ioiô? Dessa vez a leitora fanfarrona se deu mal!

Querido urso branco, namorei um rapaz por dois anos. Ano passado tentamos uma reconciliação, mas eu não quis na época. Eu disse para ele partir para outra porque eu não gostava mais dele. Eu comecei a namorar outro rapaz e ele uma menina. Neste ano, nos reencontramos e eu percebi que ainda gostava muito dele. Terminei meu namoro pensando que ele voltaria comigo, mas ele ainda não terminou o namoro dele. Ele disse que gosta de mim, mas o que eu fiz com ele no ano passado ainda pesa. Porque ele queria um namoro sério e eu levei na brincadeira. Já tem três meses que mostro a ele que gosto mesmo dele e que mudei. Ele chegou a dizer até que eu tinha um “espírito de solteira” e não conseguia namorar sério com ninguém. Ele não termina com a namorada, fica comigo nos fins de semana, não me assume e não quer que eu fique com outras pessoas. O que fazer? Um abraço. Jaqueline

 Querida Jaqueline Espírito de Ioiô, caso simples, de fácil resolução, mas confesso que fico na dúvida do que responder, pois será que você quer saber a verdade? Pensando bem, a verdade é subjetiva, portanto você deve querer mesmo é um empurrãozinho.

Sinto lhe dizer, mas o rapaz está certíssimo em ter feito a fila andar para você, se todos os homens agissem assim a mulherada começava a respeitar mais a classe, nota 10 para o cara e não falo por corporativismo! Antes das leitoras inconformadas começarem a xingar o Urso aqui, peço a gentileza de lerem a resposta até o final, ok?

Resumindo, vocês terminaram, ele quis voltar, você não quis, ambos seguiram a vida, mas um dia se cruzaram e após vê-lo com outra lembrou que gostava dele. Você acha realmente estranho o sujeito não querer mais nada com você? Considera-se tão desconcertante assim para que o meliante decida largar outro relacionamento construído com “seriedade” para viver uma aventura com alguém que muda de opinião de acordo com o vento?

Espero que a você tenha se dado conta de meu tom irônico quanto ao relacionamento “sério” do rapaz.

Vamos separar os fatos:

  1. Você pisou na bola e está com dor de cotovelo.
  2. O meliante é folgado no talo e está querendo se vingar através de tortura psicológica.

Fazer o quê então? Primeiro avalie se realmente gosta do cara ou só está atrás dele porque não quer “largar o osso”, isso já evitaria um bocado de problemas para todos. Posso garantir que 90% dos casos como o seu se resumem apenas a dor de cotovelo, mais nada! Caso você realmente goste do cara, vai uma lição de ouro: aprenda a perder!

Perca! Isso mesmo, tome vergonha na cara, engula o ego, aceite a derrota, não se sinta mal por isso! Um verdadeiro guerreiro se conhece na derrota, são suas ações que a farão cair de pé ou sair com o rabo entre as pernas!

Pode ser até que você receba incentivo nos comentários que seguirão, mas minha cara Ioiô, minha opinião é que essa batalha você não pode ganhar. Não é um relacionamento que está em jogo, mas sim apenas quem dará a última palavra e, verdade seja dita, talvez vocês dois adorem fazer isso, o que tornará essa pinimba – leia-se disputa – interminável e muito chata.

Aí você poderia me perguntar: “Poxa Urso, mas ele quer ficar comigo e não quer que eu saia com outras pessoas. Será que não é por que gosta de mim?”, não cara leitora, ele não gosta. Não sei se isso já aconteceu com todos que lêem este blog, mas acredito que esse ciúme possessivo já deve ter passado pela cabeça de muitos, é aquela famosa máxima “se eu não tenho, ninguém tem”! O cidadão não está apenas martirizando você, como também não consegue controlar sua ira dominadora, super comum em relacionamentos baseados em amor e ódio.

Bom, minha sugestão está dada, antes um ego ferido do que uma vida de expectativas frustradas, traduzindo: caia fora, arrume alguém que a ame e vê se pára com essa mania de ficar indo e vindo!

Abraço do Urso para os leitores, beijokas para as leitoras.

Comentários

comentários



Comentários

Powered by Facebook Comments

Se cadastre para receber as atualizações por e-mail

* indicates required



/

( dd / mm )


Sexo e relacionamento – Frequência dos e-mails

Carreira e cotidiano – Frequência dos e-mails

Comportamento – Frequência dos e-mails

Educação e saúde – Frequência dos e-mails

Política e religião – Frequência dos e-mails

Comunicados oficiais – Frequência dos e-mails

Presença Online – Frequência dos e-mails


Comentários

comentários