Vagabundo, trabalhador ou empreendedor? O que esperar de um workaholic e como fazer dar certo?

Querido urso, namoro um cara que gosta muito de trabalhar e trabalha muito. Mesmo achando que ele gosta de mim, várias vezes fico pensando se existe lugar na vida dele para mim. Sou muito carente, gosto de namorar, viajar e relaxar, e ele é absolutamente workaholic. Será que é possível fazer dar certo? Um dia vou ter ele para mim da maneira que desejo? Eu já entrei no mundo dele, que acho interessante, e gostaria que ele tentasse entrar no meu também. Admiro o trabalho dele, mas me apaixonei pela pessoa, não pelo executivo, às vezes sinto que ele acha que fora o trabalho não tem mais coisas de qualidade para oferecer. Eu acho o contrario, além de ser ótimo de cama também é uma ótima companhia. Tem muita coisa interessante pra contar, mas às vezes só quer falar de trabalho. Eu entendo, mas gostaria que ele também entendesse o meu lado e quisesse realmente saber do que eu gosto, e não fizesse isso apenas para me agradar. Será que um dia ele vai ter interesse em conhecer o que eu gosto? Carente

Cara leitora Carente, imagino que você não seja a única que tem um namorado workaholic, provavelmente nos comentários dessa resposta é bem capaz que você se una a outras pessoas com o mesmo problema e resolvam montar uma associação, seita ou algo do tipo. Quando nos referimos ao trabalho acredito que no mundo existam três tipos de pessoas, as empreendedoras, as trabalhadoras e aquelas que não sabem bem a que vieram.

Dependendo de como você encara a vida é que acaba escolhendo com quem deseja se relacionar, não havendo preconceito algum na escolha, é seu direito saber se vale a pena estar com alguém que trabalha mais do que o normal da mesma forma que também é seu direito estar com alguém que só coça a pança e dorme.

Boa parte das perguntas que chegam está relacionada ao preço que as coisas têm. Depois de, praticamente, três anos com esse blog percebi que a maior parte das pessoas quer o melhor produto, pelo menor preço, com a melhor condição, ou seja, querem demais.

Tenho amigos e conhecidos que se enquadram nas três categorias que citei e acredite, todos deixam a desejar algo para as suas respectivas namoradas, companheiras ou qualquer coisa do gênero.

Vantagens para cada tipo de profissional: vagabundo, trabalhador ou empreendedor

Vagabundo

O vagabundo é um ótimo amante, muitas vezes é o mais romântico, está com a cabeça sempre livre e adora viajar. Em contrapartida é mole, não gosta de se envolver em polêmicas, está sempre duro (no péssimo sentido) e acha que é sua obrigação sustentá-lo. É claro que você pode pegar um vagabundo endinheirado, mas imagine só a peça, sem objetivos nenhum na vida e com dinheiro suficiente para torrar? Não me parece que dará algo bom. Os vagabundos são os mais criativos quando falamos em sexo, decoram quarto, pensam em fantasias e tudo mais, afinal, tem a cabeça livre…

Trabalhador

O trabalhador é típico, tem uma vida típica, com um cotidiano rotineiro. Acorda, trabalha, almoça contando piadas aos amigos, trabalha mais, pega trânsito e chega em casa, quando não tem a terça do poker e a quinta do futebol, resumindo, rotina. Nos finais de semana encontra os amigos, recebe pessoas, racha as despesas e viaja de vez em quando, principalmente nos feriados prolongados. Costuma ser um sujeito bacana na maior parte das horas. Só lhe pesa uma coisa contra: a falta de ambição. Isso pode acabar se traduzindo, dependendo do caso, em submissão, o que pode ser qualidade ou defeito dependendo das intenções da parceira. O tipo trabalhador costuma ser dominado no ato sexual, nada contra, diga-se de passagem.

[youtube]-lTiwGumCdk[/youtube]

Empreendedor

O empreendedor é um sujeito solto, sem uma rotina definida, agressivo e tenso. Suas horas não são fixas, seus dias não são de segunda a domingo, mas sim, do dia 1 ao dia 7. O que quero dizer é que, por muitas vezes, não tem finais de semana, pois estão sempre atribulados tentando “dominar o mundo”. Isso os torna, de certa forma, pessoas interessantes, pois interagem mais e vivenciam mais do que os demais, contudo, trazem a falta de tempo e o estresse como pontos negativos, também não são muito românticos devido praticidade que lhes deve ser natural, mas podem ser excelentes na cama se o que você precisa é de um homem mais dominador.

Percebeu que eu não coloquei um diferencial entre funcionário ou chefe? Foi justamente porque não faz a menor diferença a posição que ele ocupa, sendo que sua essência permanece independentemente dela. Quem nunca teve um chefe vagabundo que atire a primeira pedra em forma de comentário!

Como escolher o homem que melhor encaixa com seu estilo de vida?

Como você e as demais leitoras puderam observar, cada tipo tem itens interessantes e desinteressantes, mas o que vejo é que falta clareza na hora de entender essa questão e isso faz com que as pessoas acabem por sempre insatisfeitas com as escolhas que fazem.

Você quer ter razão ou quer ser feliz?

Antes que os xingamentos comecem, não estou impondo que você tenha razão ou que seja feliz, de forma alguma, cara leitora. O que estou colocando é que você tenha noção do que abre mão. Quando escolhemos ser felizes, pode ser que tenhamos que abrir mão de ter razão e se isso for consciente não gerará problemas futuros. Da mesma forma que escolher ter razão pode acabar lhe custando a felicidade.

Veja bem, todo mundo tem o direito de idealizar alguém, só não tem o direito de cobrar que alguém se transforme no que está dentro da sua cabeça. Até porque, ao mudarmos algumas características podemos alterar outras que não gostaríamos que mudasse.

Basicamente você deseja o romantismo do vagabundo, o cara bacana que é o trabalhador e o lado interessante do empreendedor. Esse cara existe? Claro que sim! Está lá, na prateleira do supermercado, chama-se Ken e é o namorado da Barbie, a mulher perfeita! Percebe como é complicado?

Mesmo assim, apenas explicar algumas coisas não resolve as suas dúvidas, então, agora que já entendeu a base do raciocínio podemos ir a segunda etapa, ao lado prático.

Você tem três opções:

a) cair fora e procurar outro que se encaixe melhor no seu estilo de vida (lembrando que o príncipe não existe);

b) se contentar com o que tem e aos poucos ir conquistando seu espaço (certamente conquistará se ele gostar de você);

c) ficar torrando o saco de ambos, o dele porque não é perfeito e o seu porque desejaria que ele fosse.

Não fantasie demais

Eu acredito que conscientização, amor e paciência resolvem qualquer problema desde que não se tenha diferenças irreconciliáveis. O que seriam elas, por exemplo? Distância no conceito de caráter, moral e também nas preferências e comportamentos sexuais.

Se você acha legar passar os outros para trás e o sujeito não, fatalmente não há como resolver. Está no DNA das pessoas. Assim como se você gosta de dominar sexualmente e o meliante também é dominador, será uma negociação que não sei bem se vale a pena.

Acho que tentar transformar a essência de alguém é uma batalha inglória, onde mesmo vencendo, ninguém leva. As pessoas se transformam sozinhas dependendo de como são estimuladas. Se você dá carinho, sem cobrar nada em troca, o outro te dará carinho sem cobrar nada em troca e isso também funciona para patadas.

Estou pedindo para você se adequar, moldar, se submeter? Nunca! Estou te alertando apenas para não fantasiar demais o que o outro pode te oferecer. Todas as personas que citei acima tem algo para dar.

Como fazer ele se interessar por seus projetos?

O que me preocupou na sua pergunta foi a colocação de que ele não se interessa nas suas coisas. Isso deve ser conversado. Da mesma forma que você está vendo só o seu lado, talvez ele também esteja, principalmente sendo um empreendedor. Mas isso se dá jeito. Se a natureza dele é empreender, peça ajuda para um projeto seu. Com certeza ele adorará a idéia de contribuir e pode ser que assim que ele conhecer melhor é provável que se interesse também.

Tem um trecho onde você citou que gostaria que ele se interessasse, mas que não fosse só para te agradar. Ora, essa! Se não for para te agradar, para que ele tem que se interessar? Não foi isso que te fez entrar no mundo dele, querer agradá-lo?

Não acho possível que o sujeito só goste de trabalhar, portanto, veja o que ele gosta de fazer e tente chamá-lo para fazer essas coisas mais vezes. Alguma leitora pentelha vai pensar “mas, Urso, quer dizer que eu só farei as coisas que ele gosta?”. Não, porra! Quer dizer que, se você o ama, é preciso fazê-lo se acostumar a ter prazer com outras atividades, aí ele pode estar pronto para coisas novas.

Pense comigo, se o cara só trabalha e gosta, sei lá, de assistir filmes enquanto come pipoca em casa, chamá-lo para fazer uma escalada não faz o menor sentido, não é? Provavelmente ele até iria fazer a escalada se tivesse comido a pipoca dele.

Preste muita atenção agora: Workaholics estão mais estressados porque não conseguem tempo para fazer o que gostam! Aí recebem as pressões normais do trabalho e não tem válvula de escape.

Analisando isso que acabei de escrever, faz alguma lógica chamar o cara para fazer o que não gosta? Óbvio que não! Isso só o deixará ainda mais estressado! Primeiro resolva esse lado e pode ser que você tenha mais daquilo que deseja. Como disse você que ele é ótimo de cama, imagino que deve gostar de sexo, certo? Tá aí uma boa idéia.

Até mais

Obs. No meu caso, só trabalho muito porque os boletos correm atrás de mim e eu estou fora de forma, não consigo abrir distância! Gostou do texto? Aperta aí os botões embaixo!

Comentários

comentários



Comentários

Powered by Facebook Comments

Se cadastre para receber as atualizações por e-mail

* indicates required



/

( dd / mm )


Sexo e relacionamento – Frequência dos e-mails

Carreira e cotidiano – Frequência dos e-mails

Comportamento – Frequência dos e-mails

Educação e saúde – Frequência dos e-mails

Política e religião – Frequência dos e-mails

Comunicados oficiais – Frequência dos e-mails

Presença Online – Frequência dos e-mails


Comentários

comentários