Vício por cenas de estupro. Fetiche, perversão ou loucura?

Olá ursinho… Quando eu tinha uns 12 anos assisti a um filme Policial onde uma mulher era estuprada, fiquei muito excitada, quando fiquei adulta, assistindo com um namorado descobri uma série chamada “Violadas ao extremo”, onde pela primeira vez, consegui gozar várias vezes, só pensando no filme, hoje ela está na 13 º edição (o que quer dizer que não sou a única pervertida), agora só consigo gozar imaginando que estou sendo estuprada pelo meu namorado… Depois de muitos anos fico na dúvida:

Será que sou pervertida por achar excitante ver uma mulher ser estuprada (mesmo achando horrível este ato e abominar como cidadã)? Como faço para me livrar deste vício? Será que devo contar para o meu namorado, certamente ele já deve saber, pois sempre escolho na locadora os mesmos filmes… Devo assumir este meu gosto exótico e praticar o ato com o meu namorado ou ele vai me achar doida? Aguardo ansiosamente sua resposta… Masoquista.
Olá Masoquista, para lhe deixar tranquila, quero deixar claro que, em relação as suas preferências sexuais, acho você completamente normal. Nem um pingo de loucura sequer. Confesso que fiquei na dúvida sobre o que falar para uma mulher que gosta de ser possuída… Deveria fazê-la assinar um termo de responsabilidade para que não me processe depois?

Fiz uma enquete na comunidade do Pergunte ao Urso no Orkut para identificar as maiores taras femininas e, para sua informação, ser amarrada e pega a força obteve 18% dos votos, ou seja, praticamente uma em cada cinco mulheres gostariam de passar por essa “modalidade”.

Em minha opinião, uma coisa é o que acontece dentro de uma relação sexual e outra é o que acontece fora dela. Fetiches e taras estão dentro do roteiro de qualquer relação a dois, a três ou quantas pessoas nela caberem.

Perversão e rótulos

Sua primeira dúvida é em relação a ser pervertida, a sua resposta é sim, você realmente é. Basta notar que a maioria das pessoas não nutre esse desejo. Mas, fique calma, até a masturbação foi considerado ato de perversão. Existem outros “desvios” menos aceitos na sociedade como pedofilia e sadismo. Porém, devo lembrá-la de que os conceitos mudam de acordo com o tempo e região.

Quando a fonte do prazer sexual não está na cópula, mas em outra atividade, dá-se o nome de parafilia. Existem parafilias das mais esquisitas, para você ter uma idéia, existe pessoas que se excitam tocando e/ou acariciando balões, é isso mesmo, agora nunca mais você vai ir a uma festa de criança sem pensar nisso! Irá sempre se perguntar se alguma das pessoas naquela sala é o “tarado da bexiga”!

Não gosto muito de rotular comportamentos, pois a psicologia rotula tudo, quem tem excitação por barbas é pogonófilo, quem tem excitação por nádegas é pigófilo, se você gostar de transar em uma ilha, você é nesófilo. Caramba, acho que ninguém se salva! Estou brincando…

Vício

Quando uma dessas práticas torna-se obsessão é que devemos nos preocupar. Se você só conseguir se satisfazer sexualmente imaginando um provável estupro, sugiro que procure ajuda psicológica, isso responde a sua dúvida do vício. Ter uma tara ou fetiche é normal, mas depender dela para ser feliz é complicado.

Diálogo

Se você pretende ter uma relação duradoura, aconselho a conversar abertamente com seu namorado, essa atitude poupará vocês de ficarem se estranhando com as quebras de expectativas.

Através de um diálogo ele poderá escolher entre participar e alimentar seu desejo ou pôr fim a essa relação por motivo de incompatibilidade sexual. Se for para acabar, que seja logo, sem maiores prejuízos para ambos os lados, senão logo virá uma fatura que não fora combinada.

Provavelmente ele estranhará em um primeiro momento, podendo também ficar com receio de te machucar, mas é melhor que as coisas fiquem claras.

Até mais!

Comentários

comentários



Comentários

Powered by Facebook Comments

Se cadastre para receber as atualizações por e-mail

* indicates required



/

( dd / mm )


Sexo e relacionamento – Frequência dos e-mails

Carreira e cotidiano – Frequência dos e-mails

Comportamento – Frequência dos e-mails

Educação e saúde – Frequência dos e-mails

Política e religião – Frequência dos e-mails

Comunicados oficiais – Frequência dos e-mails

Presença Online – Frequência dos e-mails


Comentários

comentários